HOMENAGEM AO
MARQUEZ DE POMBAL
Por Alberto de Magalhães  (1882)

AO MARQUEZ DE POMBAL

Por Alberto de Magalhães
Poesia recitada no Theatro Valenciano,
no sarau litterario-musical de 8 de maio de 1882.

I

De joelhos heroes! Baixai a fronte altiva,
Que passa triumphante, aureolada e viva
A sombra d’outro heroe!–a luzitana gloria
Que ha um seculo morreu para viver na Historia.

É cedo inda talvez para a consagração;
Não ‘stão extintas já as luctas da paixão;
E a treva–a emulação–debate-se na liça,
Emquanto não raiar o dia da Justiça.

Mas vós, a mocidade, a esperança do Futuro,
Que altivos caminhaes, com passo bem seguro,
Na senda gloriosa e ardua do Progresso;
Vós, que haveis de lançar ao solo do Universo
A semente feraz da grande Idèa-Nova,
Deveis ajoelhar perante aquella cóva,
Que encobre veneranda a ossada do gigante
Que ha um seculo cahiu em lucta triumphante.

Ide!… ide ensinar ás gerações vindouras
Que ha paginas de luz que são immorredouras
Na historia das Nações!
Dizei a vossos filhos,
Que estão calcados já os gloriosos trilhos
Que hão-de conduzir ao fundo de seu peito
A força da Justiça e a força do Direito!

II

A noite tenebrosa, a noite dos horrores,
Estendia feroz as suas negras cores
Sobre a Europa abatida e sobre a terra inteira;
Apenas o clarão sinistro da fogueira
Illuminava a custo aquella triste scena;
Sentia-se um rumor como o rugir da hyena,
Havia um cheiro forte e acre e nauseabundo
Subindo em espiraes pelo azul profundo;
A carne a crepitar!.. Os gritos lancinantes!..
Como orgia infernal de velhos Corybantes!

Uma sombra indecisa, impavida e soturna
Fluctuava ali á viração nocturna;
Era a sombra do Mal–o negro pavilhão
Que tinha escripto em sangue um lemma: Religião!
E sobre cada corpo, e sobre esses destroços.
Conjuncto informe e nú de carnes e de ossos,
Andavam a pairar abutres esfaimados,
Despedaçando ainda os membros trucidados!

Humildes, evocavam o nome de Jesus,
–O nome da Justiça, o explendor, a Luz;
Traziam n’uma mão um velho Breviario;
A outra segurava o facho incendiario,
Um Christo sobre o peito, aos hombros uma estola…

Era a turba feroz dos filhos de Loyolla.

Portugal acordou, emfim, do seu lethargo;
Esgotára de todo o calix mais amargo.

Um homem, um gigante, um genio portentoso
Erguera-se de pé, n’um brado poderoso,
E disse sem temor áquellas turbas vis.

«Hyenas! recolhei ao fundo dos covis!
Largai a vossa presa, oh tigres sanguinarios!
De joelhos, chacaes! malditos salafrarios!
Hei-de lavar com sangue o sangue da Innocencia,
Matar-vos como cães, matar-vos sem clemencia,
E arrojar, porfim, ás fauces do abysmo,
Os vossos corpos nús e o vosso Fanatismo…

«A verdadeira Fé succede à Hypocrisia;
A Noite terminou, reaparece o Dia!»

E o braço poderoso e forte de Pombal
Arrebatou da treva o velho Portugal,
Para lançar a Luz, para lançar a Gloria,
Sobre elle, que era só recordação na Historia.

Exhausto e abatido ao sopro da desgraça,
Vergado ao Fanatismo–esse tufão que passa
E tenta destruir os brilhos da Rasão–
Sentia emmurchecer na sua heroica mão
Os louros que colhêra ao sol de cem batalhas.
Calára-se o canhão; o fumo das metralhas
Ja não tostava a tez aos bravos defensores
De Diu e de Malaca!
Esses conquistadores
Que tinham offuscado o nome de Veneza,
Que tinham concebido a audaciosa empresa,
–Na febre do valor, febre de triumphar,–
De avassalar a terra e submetter o mar;
Esse povo de heroes, titanico, indomavel,
Que dera ao mundo leis e fôra inconquistavel,
Já não queria colher da Heroicidade a palma.

Elle cuidava só… na salvação da Alma!

III

As gloriosas naus, as naus conquistadoras,
Que levavam no tópe as quinas vencedoras,
Traficavam agora o oiro, os diamantes,
O topazio, o rubi, os limpidos brilhantes,
Que outr’ora o Oriente e hoje o Novo-Mundo
Lançavam sem cessar do seu ventre fecundo!

E todo esse thesouro, e toda essa riqueza,
Era p’ra abastecer a perdularia meza
D’essa turba fradesca–a turba de vadios,
Que não passavam fome e não passavam frios,
Emquanto cá por fóra os tristes proletarios,
Famintos, rotos, nús, sem pão e sem salarios,
Iam implorar ás portas dos conventos
As migalhas servis dos fartos alimentos!

Um rei fraco, imbecil, um rei dissipador,
Assim, à imitação do Rei–Inquisidor,
Lançava essa riqueza aos tigres de roupeta,
Que tinham branca a face e a Consciencia preta.

Em vez de edificar escholas e hospitaes,
Surgiam contrucções athleticas, brutaes,
Que erguiam ao Azul, ao seio do Infinito,
As torres collossaes, gigantes de granito.

IV

Pombal surgiu, emfim, e encetou a lucta,
Heroica, gigantesca, audaz e resoluta,
Que havia de firmar a nossa autonomia,
E á Europa mostrar que era chegado o dia
Em que, aniquillada a negra Reacção,
O velho Portugal tornava a ser Nação.

A Industria floresceu e a Arte resurgiu;
O commercio acordou; de novo se cobriu
A vastidão do mar do nosso pavilhão,
Que ia transplantar a Civilisação
E levar aos confins de todo esse Universo
O nome Portuguez, extincto e submerso!

Depois, deixando assim firmado com ardencia
O acrisolado amor da nossa independencia,
Esse homem genial, espirito gigante,
Lançou o seu olhar ainda mais distante:
Reformou a Instrucção–o foco da Verdade
Que póde approximar o Genio á Divindade.

Um dia–horrivel dia!–um rude cataclysmo
Lançou uma cidade ao seio do abysmo.
D’essa terra gentil, que se chamou Lisboa,
Só restava um montão que fuma e se esborôa!..

Pouco tempo depois erguia-se imponente
A nova capital, mais bella e mais ridente…

Calêmos-nos agora!.. Ha-de-se admirar!..
Porque a nossa razão não sabe explicar
Gomo é que um braço sò podesse, sem canceira,
Alevantar do pó uma cidade inteira!

V

Injusta muita vez, a Critica, ingloria,
Quer negar-lhe um logar no pantheon da Historia,
Chamando-lhe cruel, carrasco de mil vidas,
A elle, que remiu as raças opprimidas,
Que deu à escravidão a carta de alforria,
Apontando ao Porvir da Liberdade o dia!

E se elle teve, emfim, manchas ensanguentadas,
Tambem o sol as tem, que ficam offuscadas,
Pela irradiação da sua luz brilhante…

Está limpo o pedestal da estatua do gigante!
Elle foi da Justiça o braço vingador,
Como depois na França os homens do Terror.

Saudai-o Mocidade! Um brado bem seguro,
Apostolos da Luz, videntes do Futuro!
Vós, que saudastes já o genio de Camões,
Erguei-lhe um monumento em vossos corações.
É justo que façais dupla consagração:
–Ao genio da Epopeia e ao genio da Instrucção!

Valença, 8 de Maio de 1882.

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here