covers




LITERARY CONTESTS FICTION NONFICTION POETRY HAPPENINGS BOOK REVIEWS INTERVIEWS NEW TITLES ART & PHOTOGRAPHY

ADELAIDE Independent Quarterly Literary Magazine / Revista Literária Independente Trimestral, New York / Lisboa, Online Edition  

 




 

 



 

 

 

 

DORSOS DE LUZ DE ÁGUAS MAIS PROFUNDAS
por Manuel Neto dos Santos

59 Poemas ígneos
27-31/1/13


Para Hilda Hilst
In memoriam



Pois se o sol surge sempre
Em lugar certo…
Que seja certa a luz de um novo verso.

*

Eu vejo os sons
E vejo as cores;
Da crista das ondas até ao bojo
Das fossas abissais.
Uma corda de luz que, à uma,
Une as duas.
O ontem e o hoje
O verso e o silêncio
De uma demora em ter tudo o que não
Quero mais.

*

A arte é meio de vida.
A outra metade?
O sonho de lhe pertencer por inteiro.

*

A arte solitária agora é vossa.
Tomai e passai a sê-la;
No regresso à vida.
Nada nos pertence
Para além
Da luz que existiu já.
Naquela estrela, havida.

*

O que não digo é o que vos digo.
Sombra de luz escorrendo das palavras;
É pelo seu deslizar que falamos.
Procuro a transcendência pelo ouvido.
Há um dorso redondo e aveludado no corpo
Fêmeo e fecundo, da voz.
Tudo é fértil e promissor
Na prenhez de um som
Que há- de ser, um dia,
Poema.

*

O mundo vai morrer neste poema;
Campa rasa
Na brancura do papel.
Tragam-no à vida pelo velejar
Dos vossos olhos,
E pelas naus das vossas almas;
Arrojadas como as outras,
As de D. Manuel.

*

Um dobre da luz passa nos montes.
Quem foi ou o que morreu?
Ninguém me diz.
Falso toque a rebate…
Foi um raio de sol
Que desceu pela árvore,
E cocegou a raiz.

*

Espero até ao fim das brumas.
Um desejo à espera de si mesmo;
Rasgar-se- á o céu no preciso momento
Que preciso por ter Desejado…
Ser mais do que eu.

*

A alma pisada dos caminhos
Mostra hematomas de poemas.
Lavrem-me o auto;
Fui eu que os espanquei.
Tanta coisa de ti que nada sei.
Tanta coisa de mim que já esqueci;
Luzes,
Aromas,
Traços picotados…
E o murmúrio das águas silenciosas
No fundo dos poços e das noras
Trazido, à flor dos dias,
Pelo braço das picotas.
A aurora boreal é o seu regresso.
Nada sei,
Nada relembro…
Nada mais vos peço.

*

A música tardia dos seus gritos
Fez-se silêncio no dia seguinte.
Nada mais grave do que sofrer em contratempo.

*

Um momento para a ordem antiga.
O fumo é um bufo,
Um delator do fogo
Ainda por surgir.
Quando me segredas,
O fumo é a promessa tossigosa e espessa,
Como os versos que andam
Dentro da cabeça.
A ordem antiga… é que me faça
Labareda.

*

O artifício da linguagem
Inventa,
Pela narina, a ideia que sobe
E o poema que a venta,
Expelindo,
Venta.
O silêncio de muitos anos de conflito
Regressa, como uma açoteia para a acalmia.
Um gato pelos telhados, em Janeiro,
Papagueia o choro da criança
Em desespero…
E a cal… mia.

*

Praia sem água, vida sem mudança.
Baixa-mar da essência,
No reflexo da alma…
Engolida por si mesma.

*

A maravilha da luz
É dar-nos o visto
Exactamente como não é.
Consente o sonho,
Diz sim a tudo o que não digo…
Escrevo. De pé.
*
Traz-me o perdão das águas fundas.
Tão nada,
Tão nada…
Que a sentença, a frase,
É a insolvência por onde tu, tempo-espaço,
Abundas.

*

Vozes que eu amo,
Com a paixão de um Deus.
Dormi, dormi sagradas
Que a eternidade se compõe de pequenos nadas.
Num outro plano mais fundo,
Onde o único compasso é o vai- vem
Das águas sem descanso;
Celebra-se, no lago amniótico da Terra,
O suave respirar
Da eternidade sem olhos que o observem;
Manso.

*

O ritmo,
O ritmo fundo e mais secreto;
O sol em queda livre no horizonte…
E a bisbilhotice da alma
Alcoviteira, a dizer-me que vos conte,
Antes que o céu se torne preto.

*

Hirta de luz,
Ébria, de pé,
Lívida de silêncio…
Eis a palavra a dizer- vos,
Sendo o que sois, o que é.

*

Entre os meus dedos
Que não sabem os poemas
Que a essência descreve…
A pena é o estilo;
Styllos
Que nem ao menos sou eu.
Traz- me de novo a luz que vem do mar
Reflectida no azul dos olhos teus;
Dá- me o desassossego,
E a letárgica dormência
De quem espera o que não quer
De forma alguma.
Traz- me a memória do que não fui
Nem hei – de ser.
Vem até mim…
Como se fosses espuma.

*

A flor, a tua flor, a flor da noite,
A que há- de ser inteira,
Muito em breve.
O contorno das pétalas,
Muito leve,
Rascunhos do teu corpo…
À minha beira.

*

Antes a vida, a luz e o seu esplendor
Que o sonífero da morte,
E seu torpor.
Eis- me desnudado.
Desnudado…
Como pelas mãos da parteira retirado.
Somente a luz não é suspeita;
Tanta alma, tanta vida…
E ninguém, a estreita.

*

Ó festa da luz do mar tranquilo.
Espelho com o segredo dentro,
Um aluvião.
Cortejo reptilário
Para os olhos deslizantes que aqui estão.

*

Da luz por dentro das horas mortas,
A murta e a mirra
Para o incenso do que não
Foi dito ainda.
A clepsidra, pelo sopro do vidro embaciado…
É a espera que não finda.

*

Selvagem como um deus…
Estou perante tudo
Como uma rocha,
Como o musgo;
Na férrea e sedosa vestimenta
De sonhos que ainda não são meus.

*

Sou o intervalo entre dois silêncios;
Com passo certo
Para a música
Das esferas paralelas.
Sustido e sustenido,
Suspeito do rumor
Que se esconde em todas elas.
Batendo sobre a praia do meu rosto,
A maresia suave da aragem
Traz- me uma memória,
Que não quero ter, nem sentir…
Os grãos do que antes fui
Ganham novas formas, sendo os mesmos,
Duna que se ergue e que se desfaz
Na permanência da coragem.

*

Pudesse eu dizer tudo;
Linha exacta,
Na perpendicular
De um raio de sol,
À hora do meio dia.
Mas não, a ex- acta é toda a ilusão
Que antes vivia.

*

Tudo é ausência,
Ausência de verdade…
Pela mentira- mor
De me sentir metade.

*

Tudo morre a cada instante,
Enquanto nasce.
Menos o ensejo de ir por diante,
Por dentro do fulcro
Que antevejo;
Perpétuo, mas errante.
Nasci quase no mar, quase na terra.
Faço, das mãos,
A quilha e a enxada
Para sepultar os sonhos naufragados.
Nasci nesse lugar inexistente;
Todos os lados.

*

Os lábios,
Não há dúvida,
Eram teus.
Ou seriam os meus
Na esmola que me deste
E me roubaras?...
Sim eram meus-teus,
Como podes adivinhar no sorriso
Que perdura
Em nossa cara.

*

Graça, repousada e furiosa;
A cauda da libelinha agitando o lago.
Um toque.
Um toque,
Tão somente à flor da folha em branco;
Aqui está meu único feitiço…
Que vos ofereço e trago.
Os lugares sagrados onde o corpo passou…
Ergue a testa
À altura do horizonte,
Aceita-me o conselho;
Esquece-te de ti, de olhares
A ponta dos teus pés.
Tu és o todo que contemplas,
A reverberação da luz és tu,
Na luz que ri…
Ou será, de longe, o espelho?

*

Passa por mim, inteira, como um rio
A brevíssima consciência da demora.
Diz- me que passou…
Pois senti frio.
Diz-me que permanece…
Crepito agora.

*

Da tua dor
Faz um caudal de espuma,
Não da coroa dos dias
Mas da raiz das noites
Que deixam cair a negra cortina das horas.
Tudo é breve e efémero,
Como a manhã rompendo
E, do caudal, não fica coisa alguma.
A tua dor é feita de tudo o que não choras.
Tão poucas as lembranças que nos ficam.
É o vazio que nos preenche a alma…
O que transborda,
Sim, é que é a memória
Palmatoada, como a palma.
A lembrança é apenas uma conquista,
Inglória.

*

Iluminar é apenas esquecimento,
Breve e vago instante de incerteza,
O instante passa a ser momento
E o vazio, tremulante, luz acesa.

*

Encontro um som que vem como uma onda.
O poema
Que desenho, é um dorso,
Um corgo
Ondulado pela linha do silêncio.
A terra já não tem um céu
Sob o qual se esconda
E o escuro é um borrão, sobre o poema;
Vence-o.

*

Pertence-nos a morte,
Por inteiro.
Essa que nos arrasta
Para
O fundo
Do
Abismo
De um veludo de água.
É o afogamento da memória e esquecimento
Que nos lava a mágoa.
No fecundado tempo da ausência,
O regresso é a gestação do sonho;
Entre um e outro, a ponte de vidro que lanço
Entre margens e linhas…
Por onde o tempo transponho.

*

Nas fogueiras ateadas por Agosto,
Pigmenta-se a luxúria
Por todo o corpo.
Que o diga o rosto.

*

Como vagas antigas,
Serão os dedos
Acariciando a pele luzidia do teu corpo…
Praia espraiada
Onde a alvorada achada,
Já deitada,
Se abre toda, por inteiro,
Aos meus segredos.

*

Doar meu sangue ao livro
E à ventania.
Do ar, a excelsa condição de ser…
Poesia.
Acendo a luz.
Um fósforo
Chega
Para a vela do desejo,
Da barcaça da ilusão.
Um fósforo.
Como uma estrela cadente…
Ou um vulcão.

*

Como as palavras que viajam, silenciosas,
São discretas, incontáveis
Fantasias.
São levas, segredadas como um crime,
Que chegam…
Como o amor que me trazias.

*

Para que eu pudesse olhar a luz da lua…
Nasci com os olhos do tamanho do universo.
Rasos, como a planura
De um raio de sol
Que incide sobre a crista da onda…
E, a seguir… flutua.

*

A sombra doce da tua mão
Sobre a minha face;
Calor amornado
E breve
Anunciando a claridade,
Do enlace.
Fulminadas por um raio incandescente,
As gotículas são bolas de cristal.
Translúcida, a memória
Que há- de refulgir em mim
A reverberação da cal.

*

Deram as mãos,
À noite moribunda,
As sombras neófitas,
Estremunhadas.
E as veredas, os carreiros,
Alargaram-se em viuvez…
E, agora, chamam-se:
Estradas.

*

Sem nenhum receio
Nem medo
Mas feliz…
Levo a lâmpada
De seiva
Pelas artérias da raiz.

*

O amor é, ainda,
Um texto a fecundar a terra.
Na fértil podridão de um sonho
Onde, a golpes de rins,
A semente (impaciente)
Rasga o cárcere onde se encerra.
Devolução da aurora e luz do dia.
Aqui está a noite derreada de escuro e mansidão.
Fugiram estrelas
Como cabras pelos montes.
“ Quem me diz, quem me diz
Onde é que estão?”
“Não digas, alvorada, não lhe digas,
Não lhe contes!”

*

Amada luz, que assim te despes,
Cobre-me de mornura o corpo estreito.
Deita-te em mim,
Como se fosse o rio que é teu
Como se fosse, sem ter margens,
O teu leito.

*

O fio do horizonte
Começou agora a oscilar.
Onde acaba a terra?
Onde começa o mar?

*

Perdida de paixão
Tendo o direito pelo avesso…
Que venha a luz chicotear-me
O corpo da alma,
À solta,
Desenvolta…
Mais não peço.

 

 

 

 

 

Manuel Neto Dos santos

Sobre o autor:

Nasceu em Alcantarilha (Silves-Algarve) a 21 de Janeiro de 1959.

Frequência superior em filosofia. Autor de vastíssima e multifacetada obra poética, grande parte dela ainda inédita. Nas suas 16 obras já editadas, a sua essência telúrica remete- nos para marcada ascendência arábico- andalusa, espelhando claros sensualismo, ritmo e luminosidade. A riqueza de todo um léxico onírico, na frescura de uma voz tão livre, única, quanto universal.

 




 




 

 

 

     
CONTENTS

HOME

CONTRIBUTORS CURRENT ISSUE STORE FICTION HAPPENINGS NEW TITLES CLASSIFIED ADS
ABOUT US

FRIENDS & PATRONS BACK ISSUES CONTACT US NONFICTION BOOK REVIEWS ART & PHOTOGRAPHY FACEBOOK
MASTHEAD

DONATE SUBMISSIONS BOOK CHAT LIVE POETRY INTERVIEWS BOOK MARKETING TWITTER

Copyright © 2015 Istina Group DBA Independent Publishers, New York            Webdesign: svnwebdesign